Futebol de Cinco

futebol-cegos

Modalidade exclusiva para atletas cegos ou deficientes visuais. Normalmente joga-se em uma quadra de futsal adaptada, mas desde os Jogos Paraolímpicos de Atenas, a modalidade também vem sendo praticada em campos de grama sintética. Somente o goleiro tem visão total e ele não pode ter atuado em competições oficiais da Fifa nos últimos cinco anos. Junto às linhas laterais, são colocadas bandas que impedem que a bola saia excessivamente do campo. Cada equipe é formada por cinco jogadores – um goleiro e quatro jogadores de linha e as partidas devem acontecer em locais em que não haja eco. A bola tem guizos internos para que os atletas a localizem. Por isso, a torcida deve permanecer em silêncio durante o jogo e só podem se manifestar no momento do gol. Eles jogam com uma venda nos olhos e tocar na venda é falta. Depois de cinco infrações, o atleta é expulso de campo e pode ser substituído por outro jogador. Há ainda um guia, o “chamador”, que fica atrás do gol, para orientar os jogadores, dizendo onde devem se posicionar em campo e para onde devem chutar. As partidas são jogadas em dois tempos de 25 minutos, com um intervalo de 10.

Histórico

Há relatos da prática da modalidade desde a década de 50, no Brasil, quando cegos jogavam futebol com latas em suas instituições. Em 1978, durante as Olimpíadas das Apaes, em Natal, ocorreu o primeiro campeonato de futebol praticado por cegos. Em81, a ANDE promoveu um torneio do esporte. No mesmo ano, Mário Sérgio Fontes e Venceslau Padilha organizaram o primeiro Campeonato Sul-brasileiro. A primeira Copa Brasil ocorreu em 84, na capital paulista.

Das quatro edições da Copa América, os brasileiros trouxeram três canecos: em 97, na capital paraguaia Assunção; em 2001, em Paulínia; e em 2003, na capital colombiana Bogotá – este título garantiu a seleção em Atenas. Só na edição de 99, em Buenos Aires, o título acabou com os donos da casa, por terem um melhor saldo de gols. Um fato significativo é que os argentinos jamais derrotaram a seleção nacional.

Em Paulínia, 1998, o País sediou o primeiro Mundial de futebol de 5. Em casa, a seleção mostrou seu poderio e se sagrou campeã do mundo. Dois anos depois, em Jerez De LaFrontera, Espanha, a taça continuou sob o domínio brasileiro. Na terceira edição do torneio, no Rio de Janeiro, a seleção caiu na semifinal diante dos espanhóis, ficando em terceiro lugar. Desta vez, os argentinos foram os campeões. Atenas-2004 marca a estréia oficial do esporte em Jogos Paraolímpicos. As disputas serão somente no masculino.

                                                               Classificação

Em Jogos Paralímpicos, esta modalidade é exclusivamente praticada por atletas da classe B1 (cegos totais) que não têm nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos; ou têm percepção de luz, mas com incapacidade de reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância ou direção.

Os atletas são divididos em três classes que começam sempre com a letra B (blind, cego em inglês).

B1 – Cego total: de nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos até a percepção de luz, mas com incapacidade de reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância ou direção.

B2 – Jogadores já têm a percepção de vultos. Da capacidade em reconhecer a forma de uma mão até a acuidade visual de 2/60 e/ou campo visual inferior a 5 graus.

B3 – Os jogadores já conseguem definir imagens. Da acuidade visual de 2/60 a acuidade visual de 6/60 e/ou campo visual de mais de 5 graus e menos de 20 graus.